sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Bloco 100 Muído define o seu roteiro da folia

 


Eu reunião realizada nesta quinta-feira, 27 de fevereiro, o Bloco 100 Muído, sob o comando de Maria da Glória Rocha de Andrade, uma das foliãs fundadoras da agremiação, decidiu o seu itinerário na maior festa popular do País, que é o carnaval.

Abadás prontos, cerveja esperando, alegria aflorando, o 100 Muído está pronto para cair na folia, que será de cinco dias.

A programação carnavalesca a ser satisfatoriamente cumprida pelo 100 Muído é esta:

.sexta-feira (28 de fevereiro): Prévia carnavalesca de Patu, juntando-se à Troça da Cachaça,  saindo do Bairro da Estação até a Praça de Eventos Oliveira Rocha, no centro da cidade;

. sábado (1º de março): Carnaval de rua de Apodi;

. domingo (02 de março): Carnaval do Complexo Cachoeira, em Brejo do Cruz-PB;

. segunda-feira (03 de março): Carnaval de rua de Caicó, juntando-se ao Bloco do Magão;

. terça-feira (04 de março): Carnaval do Complexo Cachoeira, em Brejo do Cruz-PB.

O Bloco 100 MUÍDO chega ao sétimo carnaval com o patrocínio de:

JUNINHO DE MAELI
RIVELINO CÂMARA
DEPUTADO GILSON MOURA
DEPUTADO HENRIQUE ALVES
EVANDRO MOURA
ÉLISSON MOURA
VEREADOR SUETÔNIO MOURA
ATIMAR GODEIRO
DOUTOR GETÚLIO BARBOSA
BORGES ELETROMÓVEIS
VIEIRA CONTABILIDADE & SERVIÇOS
M. R. CONFECÇÕES E VARIEDADES
SALÃO STILO JOVEM (ORGANIZAÇÃO: ROSANA)
KAXOTA´S LANCHES
SUPERMERCADO QUEIROZ
POINT VIP (ORGANIZAÇÃO: SHIRLEY E CLÉO)
DOUTOR EDNARDO MOURA
CHURRASCARIA DO GORDO (ORGANIZAÇÃO: GORDINHO DE JOSIMAR)
AUDERY FERNANDES LICITAÇÕES
CENTER MÓVEIS – CASAS POTIGUAR (ORGANIZAÇÃO: FILHO E GIANNI)
Cristãos-católicos se reúnem em retiros durante o Carnaval

Uma grande parte de cristãos-católicos não adeptos à tradicional folia de Carnaval prefere passar os dias da maior festa popular do Páis em retiros espirituais.

Nesse contexto, são muitos os locais reservados por praticantes da Igreja Católica para um longo período de oração, reflexão e confraternização espiritual.

No interior do Estado do Rio Grande do Norte, precisamente na região Oeste, ao menos dois lugares chamam a atenção pela tradição de eventos dessa espécie. Um deles é o Santuário de Nossa Senhora dos Impossíveis, na Serra do Lima, em Patu.

No alto da Serra do Lima, membros do Movimento Carismático, de grupo de Encontro de Casais com Cristo - ECC e do Ministério Jovem ficarão da tarde de sábado (1º de março)  até a manhã da quarta-feira de cinzas (05 de março) em orações e reflexões.

No Alto Oeste, o Município de Serrinha dos Pintos, localizado também no alto de uma serra, receberá cristãos-católicos de várias partes do Estado, que ali ficarão durante todo o período de folia em oração e louvor a Deus.

A busca por um lugar no retiro espiritual de Serrinha dos Pintos é tão grande que, tendo esgotadas vagas em pousada e não havendo mais imóveis a serem alugados na cidade de Serrinho dos Pintos, grupos de fiéis estão procurando imóveis e lugares para hospedagem na vizinha cidade de Martins, que fica localizada na mesma serra que Serrinha.

Para quem não estará num retiro espiritual e cairá na folia, a dica é se divertir na paz, com respeito aos outros e com muita responsabilidade. E deve lembrar sempre que álcool não combina com direção automotiva; portanto, vale o velho conselho: se beber, não dirija.

O Messiense

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Competência

Messiense foi nomeado Diretor de Vara Federal


Graduado em Direito pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, o messiense José Wellington Carias Regis exerce função de cargo efetivo, por aprovação em concurso, na Justiça Federal.

Radicado em Mossoró há alguns anos, Wellington Carias é lotado na Décima Vara Federal do Rio Grande do Norte, uma das Varas Federais localizadas na Terra de Santa Luzia.

Servidor público federal dedicado, habilidoso e muito competente, José Wellington foi recentemente nomeado para o cargo de Diretor da 10ª Vara Federal.

A nomeação aconteceu através do Ato nº 52, de 24 de janeiro de 2014, do Presidente do Tribunal Regional Federal da Quinta Região, desembargador federal Francisco Wildo Lacerda Dantas.

O referido Ato foi publicado no Diário Oficial Eletrônico da Justiça Federal no dia 27 de janeiro de 2014.

José Wellington Carias Regis é filho do comerciante João Batista Carias e dona Verônica Regis, que continuam residindo em solo messiense.

Wellington  teve a infância toda vivida na sua terra natal, Messias Targino, e quando adulto resolveu buscar mais conhecimento, passando a estudar em centros urbanos maiores.


A nomeação desse messiense para tão relevante cargo do Poder Judiciário Federal representa o reconhecimento do êxito do seu trabalho enquanto servidor público federal.

Fonte: O Messiense.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

BLOCO 100 MUÍDO CHEGA AO SÉTIMO ANO DE FOLIA




A maior festa popular do País está próxima de acontecer. De 1º a 4 de março, foliões de todo o Brasil enchem ruas e clubes na animada festa de carnaval.

Chegando ao seu sétimo ano de folia, o Bloco 100 MUÍDO se prepara para em mais um ano levar o nome de Patu a vários carnavais da região.

Com abadás quase prontos e outros detalhes praticamente fechados, o Bloco 100 MUÍDO, que recentemente se reuniu para discutir sobre o carnaval, falta definir apenas o roteiro da folia. Para tanto, está atento à divulgação dos carnavais da região.

O Bloco 100 MUÍDO chega ao sétimo carnaval com o patrocínio de:

JUNINHO DE MAELI

RIVELINO CÂMARA
DEPUTADO GILSON MOURA
DEPUTADO HENRIQUE ALVES
EVANDRO MOURA
ÉLISSON MOURA
VEREADOR SUETÔNIO MOURA
ATIMAR GODEIRO
DOUTOR GETÚLIO BARBOSA
BORGES ELETROMÓVEIS
VIEIRA CONTABILIDADE & SERVIÇOS
M. R. CONFECÇÕES E VARIEDADES
SALÃO STILO JOVEM (ORGANIZAÇÃO: ROSANA)
KAXOTA´S LANCHES
SUPERMERCADO QUEIROZ
POINT VIP
DOUTOR EDNARDO MOURA
CHURRASCARIA DO GORDO
AUDERY FERNANDES – COORDENADOR DA SETHAS
CENTER MÓVEIS – CASAS POTIGUAR (ORGANIZAÇÃO: FILHO e GIANNI)



 IMAGENS DE OUTROS CARNAVAIS





sábado, 18 de janeiro de 2014

Trabalho e reconhecimento

Auderi foi nomeado coordenador de convênios da SETHAS


Paraibano de Catolé do Rocha, o jornalista, técnico de contabilidade e assessor de licitações e contratos Auderi Fernandes de Souza está há mais de seis anos atuando em Municípios do Oeste do Rio Grande do Norte.

Inicialmente como assessor de licitações e contratos, depois, também, como pregoeiro oficial e, mais recentemente, como técnico de elaboração e acompanhamento de projetos para convênios, Auderi tem tido destacada atuação por essas bandas do Oeste do Estado.

Messias Targino, Patu, Frutuoso Gomes e Antonio Martins já receberam o trabalho desse paraibano, que, antes de aportar no Oeste potiguar, já havia trabalhado como assessor de licitações e contratos em diversos Municípios do interior da Paraíba, inclusive Campina Grande.

Auderi Fernandes (foto: Blog do Pola Pinto)


Mais recentemente, Auderi estava ministrando cursos na área de licitações, contratos e convênios em capitais do Brasil, a serviço de uma empresa especializada nessa área. Em pelo menos um fim de semana por mês, Auderi ministrava um curso destinado aos que atuam no serviço público nas áreas de licitações, contratos e convênios.

Agora, precisamente no dia 15 de janeiro de 2014, Auderi Fernandes de Souza foi nomeado para o cargo de provimento em comissão de coordenador de convênios da Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social - SETHAS.

Auderi é pessoa de confiança da atual secretária estadual do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social, Shirley Ferreira Targino, com quem trabalhou quando ela era a prefeita do Município de Messias Targino.
Fonte: O Messiense

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

COPA

Fifa esgota ingressos mais baratos da Copa em 3 horas de venda

Os ingressos regulares mais baratos da Copa do Mundo de 2014 já estão esgotados. O site da Fifa que comercializa as entradas para o Mundial já não oferece mais os bilhetes da categoria 4, destinados a torcedores brasileiros.
A venda de ingressos da Copa foi reaberta nesta segunda-feira, às 9h. Nesta etapa de comercialização, quem solicita primeiro o ingresso no www.fifa.com/ingressos leva. Por isso, o número de acessos ao site da Fifa nesta manhã foi grande. Segundo a própria entidade, o tráfego de internautas foi quatro vezes maior do que na primeira fase de vendas.
O UOL Esporte monitorou cinco tentativas de compra dos bilhetes nesta segunda-feira. O acesso ao sistema de venda de ingressos demorou até três horas. Neste momento, todas as entradas da categoria 4 , para todos os 64 jogos do Mundial, já apareciam como esgotadas.
Além disso, nenhum ingresso para jogos em Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo estavam disponíveis. Das 12 cidades-sede, só Brasília, Cuiabá, Fortaleza e Manaus tinham ingressos apontados como de baixa demanda, em algumas categorias específicas.
Fonte: UOL

Direito e Cidadania

Ministro da Justiça apoia presença de advogado no inquérito

Brasília – O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Furtado Coêlho, reuniu-se, nesta terça-feira (05), com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo para tratar da proposta que torna o advogado indispensável no inquérito.

Marcus Vinícius destacou que deve ser assegurado ao investigado o direito de apresentar suas razões e requerer diligências, assistido por advogado. “O cidadão deve ter direito de apresentar sua versão dos fatos com a assistência de um profissional da advocacia.


Cardozo recebeu do presidente nacional da OAB o projeto e manifestou apoio à presença do advogado como indispensável para garantir ainda mais credibilidade à investigação. Para ele, a proposta tem o objetivo de agregar valor ao inquérito policial.


Também participou do encontro o secretário da Reforma do Judiciário do MJ, Flávio Caetano.

Fonte: www.oab.org.br

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Opinião

Brincar é preciso!

Alcimar Antônio de Souza

Nesses dias a minha pequena Maria Rita, uma das paixões da minha vida, contava-me a história infantil dos Três Porquinhos. Do alto da sua ingenuidade surgiu uma interpretação no mínimo curiosa sobre o conto que um dia já colocou muitas crianças para dormir. Segundo ela, o Lobo não é mau, pois apenas queria “fazer amizade” com os Porquinhos. Estes, sim, seriam os vilões da historinha, pois, segundo compreendeu Maria Rita, eles, os Porquinhos, é que não deixavam que o Lobo entrasse na sua casa.

Além dos contos infantis, que sua tia Glória sempre lhe conta, Maria Rita também gosta de brincar com suas bonecas e, se deixar, passa o dia inteiro de frente ao televisor, vendo desenhos animados na TV ou produzidos em DVD´s. De “Dora, Aventureira” a “Moranguinho”, passando pela “Galinha Pintadinha”, já conheço vários personagens, de tão repetitivos na vida dela.

No entanto, diferentemente do que fazíamos antigamente, as brincadeiras infantis e as coisas que realmente deveriam interessar a Maria Rita e a outras crianças de sua tenra idade andam perdendo espaço. A internet e o telefone celular invadiram as nossas vidas de forma tal que, agora, está difícil de obter um necessário recuo.

É claro que buscamos controlar, fiscalizar e até impedir o uso desses equipamentos, de forma imoderada, por nossos pequenos rebentos. A tarefa, porém, não é das mais fáceis, afinal, nascemos e fomos criados noutras épocas, em que no máximo, quando muito, conhecíamos a televisão e o telefone convencional. Os mais “abastados”, quando crescidos, iam ao cinema. Então, não fomos preparados no passado para sermos pais e mães de gerações que vivem num mundo totalmente diferente daquele em que vivemos um dia.

Chegado mais um Dia das Crianças, bateu-me a saudade nostálgica dos tempos em que realmente brincávamos como crianças. Os meninos jogavam futebol em qualquer canto de rua, que logo se transformava num animado campinho; tomavam banho de açude; “roubavam” as carajanas, as mangas e outras frutas de quem, tendo-as, não as quisesse dar; bonecos em miniatura e carrinhos eram engenhosamente inseridos em cenários imaginários de pequenas cidades ou palcos de guerras, nas quais o bem – e somente ele – sempre triunfaria.

Além das bolas de futebol, tão raras naquela época, pedalar uma bicicleta ou subir num jegue mais manso eram também animadas diversões para quem não tinha outra preocupação senão a de ser feliz.

E as “bilas”, quem não lembra? Há anos atrás, qual o menino, quando criança nesse sertão de meu Deus, nunca fez três buracos no chão, ou um triângulo na areia, para jogar com as disputadas bilas, que nos livros infantis da época, produzidos no Centro-Sul do País, eram chamadas de bolas de gude?

Nos tempos mais difíceis, carrinhos e cavalos feitos de ossos de animais já eram suficientes para a nossa alegria. Era brincadeira pura. E, entre uma e outra brincadeira, sempre conversávamos muito, e até brigávamos, como naturalmente brigam as crianças, a quem Deus deu o incrível dom do perdão rápido, da desculpa sincera, da reconciliação natural.

Carrinhos de rolimãs eram instrumento de luxo para as brincadeiras. Garrafas de água sanitária se transformavam em réplicas de roladeiras, aquele equipamento rudimentar utilizado até tempos desses para o transporte de água nas terras áridas do sertão nordestino.

As meninas sempre tiveram nas bonecas as primeiras amigas. E muitas vezes brigavam com as amigas da vida real em função de tais bonecas. Mas, no geral, eram felizes. Brincavam como crianças. Faziam suas casinhas, inventavam de cozinhar, produziam “desfiles de moda”, enfim, brincavam de verdade.

Na calçada da Capela de Nossa Senhora das Graças, no centro de Messias Targino, mesmo após as duras aulas de catecismo de minha mãe, Maria do Junco, havia lugar para as brincadeiras. Uma grande roda se formava, e cantigas como “Terezinha de Jesus”, “Atirei o pau no gato” e o “Cravo e a rosa” eram entoadas com muita naturalidade.

Mas “Terezinha de Jesus” foi “aposentada” para as crianças de hoje, que, via celular, pela internet ou mesmo pelos recantos da cidade, são induzidas a aprender as “letras” do “lek lek” e de várias pornografias musicais que animam as festas.

A propósito, também havia festas só para crianças por essas bandas. Nos carnavais, as tardes de folia, então chamadas de matinês (embora já não fosse manhã), eram dedicadas exclusivamente à criançada, que se divertia de forma genuína. Hoje, em qualquer festa de rua, um sujeito metido a cantor pergunta: “Tem rapariga aí?”, sem ter a preocupação de saber se ali, no local da festa, há ou não crianças, adolescentes, pessoas que, pela idade, ainda carecem de uma formação educacional, social, cultural.

E, para essas crianças e adolescentes, o que começa a aparecer como normal, de tanto ouvirem nos palcos, nos paredões de som ou na internet, é o estímulo ao “novo estilo de vida”, de “cabra desmantelado”, “cachaceiro” e “raparigueiro”, expressões usadas e abusadas em quase todas as letras de gravações que recebem da mídia capitalista o nome de música.

Naquela época, a brincadeira de “Tô no poço” era a mais ousada que tínhamos. E, justamente pela falta de malícia de quem dela participava, nossos pais sequer a repreendiam, pois entendiam que se tratava de mais uma simples brincadeira de crianças que estavam em fase de migração para a adolescência. Aliás, nessa época não existia uma lei dizendo que criança é quem tem até doze anos e adolescente é quem tem de treze a dezoito incompletos. Até nesse aspecto éramos criança mais tempo.

Atualmente, encontrar crianças brincando, como crianças, é praticamente uma exceção. Em geral, vemos nossos pequenos de frente ao computador, ou com os olhos grelados na tela de um celular, ou disputando jogos eletrônicos. Nem o antigo “vídeo game” tem mais espaço em meio a tantas modernidades.

E, sem termos ainda a pedagogia correta para lidar com a situação, ou sem atentarmos para o real perigo que dele decorre, assistimos a uma invasão dos nossos lares pelo fenômeno que é a internet. Amigos, agora, só virtuais! Conversas, agora, só pelas redes e grupos “sociais” virtuais! Conselho? No campo virtual não há espaço para ele.

E, dessa forma, nossos lares vão se transformando em centros coletivos de acesso à internet, onde as conversas de família foram abolidas e as brincadeiras de criança simplesmente perderam importância.

12 de outubro novamente chegou. 12 de outubro novamente nos faz lembrar que no mundo ainda existem crianças. Acordemos. Façamos com que as nossas crianças se comportem como tais. A tecnologia é relevante e até necessária, mas não pode substituir o abraço apertado, a conversa franca, o riso compartilhado do mundo real, a brincadeira sadia e gostosa dos pequeninos.

E, se for presentear o seu filho em mais um Dia das Crianças, sugiro que lhe dê, além de muito carinho, um brinquedo qualquer. Evite agora presentear-lhe com um aparelho de telefone celular ou um equipamento tecnológico de última geração. Do contrário, poderemos num futuro breve não termos mais no calendário o Dia das Crianças. Do contrário, poderemos contribuir para que, num futuro não distante, o tempo de vida considerado como sendo de criança seja ainda mais reduzido.

A todos os pequeninos e pequeninas, feliz Dia das Crianças! Que Deus os abençoe!

Fonte: O Messiense 

sexta-feira, 4 de outubro de 2013