quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Algo da História do Lima


O Incansável Pe. Henrique Spitz.
Quando em dezembro de1969, Pe. Luis Kehrle veio reforçar a comunidade, um dos maiores acontecimentos para o Lima, foi à instalação da energia elétrica de Paulo Afonso. Até aquele momento, a eletricidade era gerada por algumas horas, por um grande motor inglês, Ruston. O governador Monsenhor Walfredo Gurgel autorizara a instalação da rede e cedera os postes que já se encontravam em Patu, no entanto, o prefeito da época, mandou escondê-los para que não fossem entregues. Por fim, a persistência de Pe. Henrique foi mais forte e a energia chegou no início de janeiro de 1970. Dia 15 de maio, Pe. Henrique Spitz viajou ao provincialado e de lá seguiu à Alemanha com o objetivo de tirar umas férias e pedir auxílios financeiros para o Santuário. Dia 24 de maio, faleceu Pe. Agostinho Bohlen no Hospital Centenário de Recife. Anos mais tarde, seus restos mortais foram colocados numa das urnas da galeria circular do Santuário do Lima. No dia 02 de Setembro, Pe. Henrique retornou de suas férias, trazendo uma boa quantia de marcos alemães na sua bagagem. Em seguida, comprou de seu amigo Antônio Suassuna Sobrinho, um pedaço de terra no lado esquerdo do pé da ladeira, com a intenção de aos poucos ali fazer um amplo estacionamento. A área atualmente pertence a Anacleto Suassuna. No dia 01 de Janeiro de 1971 assumiu como 11º superior da comunidade religiosa, o Pe. José Kruza, continuando Pe. Henrique Spitz como administrador do Santuário do Lima. Em abril, Pe. Henrique transferiu via trem, do seminário recém fechado do Crato, bancos, cálices, via-sacra, sacrário, paramentos e alfaias para o novo Santuário do Lima. Dia 13 de maio houve a solene coroação de nossa Senhora dos Impossíveis, com a participação das Dioceses de Mossoró e Caicó. No dia 04 de Janeiro, aconteceu em Martins, a ordenação sacerdotal de Pe. Antônio Elias dos Santos, sendo Dom Gentil o celebrante. Aos 27 de dezembro de 1972, por influência de Francisco de Oliveira Rocha, apareceu um artigo no Diário de Brasília, com o titulo Santuário de Patu Pode Ser Basílica, onde um jornalista apresenta uma foto da Igreja ainda sem os azulejos externos, relata alguns aspectos da história do Lima e destaca o desejo de Pe. Henrique Spitz em conseguir do Vaticano o titulo de Basílica Menor.



Dia 24 de maio de 1970, faleceu Pe. Agostinho Bohlen no Hospital Centenário de Recife


No dia 01 de Janeiro de 1971 assumiu como 11º superior da comunidade religiosa [Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores], o Pe. José Kruza, continuando Pe. Henrique Spitz como administrador do Santuário do Lima.


O governador Monsenhor Walfredo Gurgel autorizara a instalação da rede elétrica de Paulo Afonso, cedendo os postes que já se encontravam em Patu, no entanto, o prefeito da época, mandou escondê-los para que não fossem entregues. Por fim, a persistência de Pe. Henrique foi mais forte e a energia chegou no início de janeiro de 1970.


Energia de Paulo Afonso, na época um sonho de muitas cidades

Foto ilustrada Motor Inglês Ruston

No Lima a eletricidade era gerada por algumas horas, por um grande motor inglês, Ruston.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário